Golfinhos morreram nas artes de pesca

%PM, %02 %743 %2005
Publicado em Notícias

Ferimentos graves provocados por artes de pesca podem explicar o aparecimento de uma dezena de golfinhos mortos nos últimos dias na costa da região Oeste a Rede de Apoio a Mamíferos Marinhos – Abrigos esteve envolvida numa operação para salvar um dos exemplares detectados e verificar se Portugal está a exceder a quota de mortalidade da espécie devido a acidentes com redes usadas por pescadores.

Marina Sequeira, coordenadora da Abrigos e bióloga do Instituto de Conservação da Natureza (ICN), revelou ao CM que o golfinho riscado que apareceu com vida no interior do porto de pesca de Peniche – e que entretanto já terá regressado ao mar – apresentava “escoriações e raspadelas nas barbatanas, por ter ficado preso em artes de pesca”, o que também aconteceu com os golfinhos comuns que deram à costa mortos em Peniche e Torres Vedras nas duas últimas semanas.

“Conseguiu-se determinar que as capturas acidentais foram as causas da morte, porque apresentavam marcas de redes de emalhar ou da arte xávega”, indicou Marina Sequeira, explicando que “os golfinhos alimentam-se de algumas espécies de peixe perto da costa e são apanhados nas redes dos pescadores”.

Há 150 casos por ano

A Abrigos, em parceria com outras organizações de salvaguarda da vida selvagem, está a monitorizar a faixa costeira e a elaborar uma base de dados para avaliar se o número de capturas acidentais é excessivo.

“Estamos a efectuar estudos para apurar se estes acidentes colocam em risco os efectivos populacionais. Caso isso se verifique serão tomadas medidas, desde a sensibilização dos pescadores até à colocação de dissuasores acústicos nas redes”, informou a bióloga. Apesar do número de animais que apareceram mortos na costa, a técnica diz que “não há razões para alarme” e considera os valores “normais” entre a espécie. Por ano, morrem, em média, entre 120 a 150 mamíferos marinhos na costa portuguesa.

fonte: correiodamanha.pt


{mos_sb_discuss:522}