Golfinho do Peru

Golfinho do Peru

Nome Cientifico: Lissodelphis peronii

Características: O golfinho do Peru é fácil de identificar no mar. É o único golfinho no hemisfério sul que não tem barbatana dorsal e tem também um espantoso padrão corporal preto e branco. Contudo, à distância e quando a nadar velozmente, pode ser confundido com um pinguim e quando a nadar lentamente, pode ser confundido com um leão-marinho.

Assemelha-se muito ao Golfinho-setentrional, mas é ligeiramente mais pequeno e tem uma área branca superior na cabeça e flancos ; não há sobreposição na área.

O nome de ambas as espécies vem das muito maiores baleias franca e franca-austral, que também não têm barbatanas dorsais.

As crias são castanho-acinzentadas ou creme e desenvolvem a coloração adulta durante o primeiro ano de vida.

O golfinho do Peru não é muito bem conhecido, devido sobretudo à sua distribuição predominantemente remota, ao largo.

Barbatana Caudal

Barbatanas Peitorais

Comportamento: Movimentos graciosos . É frequente viajar muito depressa, numa série de saltos compridos e lentos ; a impressão geral é a de um movimento ondulatório, bastante semelhante a um pinguim a nadar depressa.

Por vezes nada devagar, causando pouca agitação na água e expondo apenas uma pequena parte da cabeça e do dorso preto quando emerge para respirar. 

Foram observados a saltar (mas sem rodopiarem ou sem se voltarem no ar), a dar pancadas com a barriga e "batimentos laterais e caudais".

Os mergulhos podem durar 6 minutos ou mais .

Alguns grupos deixam-se aproximar, mas outros fogem das embarcações. Pequenos grupos podem "acompanhar à proa" em raras ocasiões.

Encontrado com frequência na companhia de Golfinhos-Cinzentos, Golfinho-Ampulheta, ou baleias-piloto.

Muitíssimo gregário .

Distribuição: Distribuição pouco conhecida, apesar de parecer ser circumpolar e bastante comum através da área. Permanece quase exclusivamente em águas temperadas , provindo a maioria dos registos da convergência antárctica.

Segue com frequência a corrente de Humboldt até latitudes subtropicais, não mais para norte do que 19º S ao largo do norte do Chile, apesar de o registo mais a norte ser de 12º S ao largo do Peru.

O limite meridional varia de ano para ano com as temperaturas do mar. Parece ser bastante vulgar na corrente das Malvinas , entre a Patagónia e as ilhas Malvinas .

Crê-se que surge no sul do Oceano Índico, seguindo a corrente dos ventos ocidentais. Raramente visto perto da terra, excepto em águas suficientemente profundas; sabe-se, que surge em águas costeiras ao largo do Chile e perto da Nova Zelândia , onde a água tem mais de 200 m de profundidade.

Alimentação: Á base de cefalópodes.

Pagina Anterior