Golfinho-de-Bico-Comprido

Golfinho-de-Bico-Comprido

Nome Cientifico: Steno Bredanensis

Características: É relativamente fácil identificar o Golfinho-de-bico-comprido no mar, mas é raramente visto e pouco conhecido .

A cabeça tem uma forma única: o bico longo , estreito , e a testa fundem-se , sem sulco frontal , ao contrário de todos os outros golfinhos com bico proeminente, pode medir entre 2,30 – 2,80m de comprimento. Do mesmo modo, a estreiteza da cabeça e os olhos inabitualmente grandes dão-lhe um certo ar reptilíneo. E tem também um aspecto Pré-Histórico.

Apesar de ser um animal muito característico, é sempre possível confundi-lo com outras espécies , em particular com roazes-corvineiros , golfinhos-malhados e Golfinhos-fiandeiros . Além da forma da cabeça, procure a mancha-dorsal escura , os "lábios" brancos e as manchas brancas-amareladas ou brancas-rosadas .

Os animais mortos podem ser identificados pelas finas rugas verticais nos dentes, mas estas são muitas vezes difíceis de detectar.

As formas podem variar um pouco entre populações, mais marcadamente entre os animais Atlânticos e Indo/Pacíficos.

Barbatana Dorsal

Barbatana Caudal

Comportamento: Difícil de observar, pois pode ficar imerso durante 15 minutos . Raramente dá mais do que um salto pouco entusiasta .

Nadador rápido , por vezes dá pequenos saltos baixos e arqueados. Pode nadar rapidamente logo abaixo da superfície, com a barbatana dorsal e uma pequena parte do dorso claramente visíveis.

Às vezes " acompanha à proa ", em especial diante de embarcações rápidas, mas com menos frequência do que outros golfinhos tropicais.

Pode associar-se com roazes-corvineiros e com baleias-piloto e, menos vezes, com Golfinhos-fiandeiros e malhados ; não é raro associar-se a cardumes de atuns-albacora.

Pode ser visto em "imobilidade".

Distribuição: Distribuição pouco conhecida. Parece surgir nas águas quentes de todo o mundo, em geral onde a temperatura da superfície é superior a 25ºC, e parece evitar águas com a superfície fria e correntes frias.

Não parece ser particularmente numeroso em lado algum, se bem que os investigadores tenham trabalho sobretudo no Pacífico-leste tropical e possam ter deixado passar outras áreas em que seja muito abundante.

Nos últimos anos tem sido observado muitas vezes, em especial em volta do Havai ; e um número de observações recentes ao largo da costa do Brasil , sugere uma distribuição no Atlântico mais meridional.

Parece haver uma população permanente no Mediterrâneo . Maioria encontrada frequentemente em águas fundas muito ao largo , em geral para lá da plataforma continental.

Alimentação: Polvos, camarões e peixes.

Pagina Anterior